NOTÍCIAS

Vereador de Sertãozinho é investigado por gastar R$ 521 em empório de queijos e vinhos com verba pública

 14/11/2017, 09:55:42

 Inquérito apontou que Antônio César Peghini (PMDB) fez uso indevido de dinheiro da Câmara com viagens a São Paulo. Parlamentar também é alvo de conselho de ética no Legislativo.

 
Vereador de Sertãozinho é suspeito de apresentar notas fiscais falsas para receber verba
 
O vereador Antônio César Peghini (PMDB) foi indiciado pela Polícia Civil pelo uso indevido de verba da Câmara de Sertãozinho (SP) em viagens a São Paulo. O parlamentar responde por peculato, ou seja, desvio de dinheiro público, e uso de documento falso na comprovação dos gastos com refeições na legislatura anterior.
A assessora dele, Josy Rodrigues, também foi indiciada por ajudar na falsificação dos gastos, segundo a polícia.
Em uma das notas de reembolso apreendidas consta um gasto de R$ 521 em um empório no Mercado Municipal da capital que comercializa queijos, vinhos, azeitonas e bacalhau, em 16 de dezembro de 2015, quase uma semana antes do Natal.
A EPTV, afiliada da Rede Globo, procurou o vereador e sua assessora nesta segunda-feira (13), mas não obteve um posicionamento até a publicação desta matéria.
O parlamentar também é alvo de um conselho de ética no Legislativo, ainda sem previsão de término. Segundo a presidente da Câmara, Márcia Perassi, Peghini já firmou um termo de ajustamento de conduta (TAC) com o Ministério Público para a devolução de valores indevidos.
Gastos fora do comum
As investigações foram motivadas por uma denúncia que chegou à polícia em 2016. Segundo o delegado Pláucio Fernandes, no decorrer do inquérito foram encontradas notas fiscais suspeitas que evidenciavam refeições feitas no mesmo dia em curtos intervalos de tempo.
 
"A pessoa teria consumido no almoço grande quantidade de alimentos, em poucas pessoas, e logo em seguida uma outra nota aparece com novas refeições. Quer dizer, é uma coisa um pouco fora do comum", diz.
Foram registrados gastos suspeitos de R$ 3,8 mil entre março e dezembro de 2015. Entre elas estão uma nota de uma refeição de R$ 521 que teria sido feita em um box do Mercado Municipal de São Paulo onde funciona um empório de vinhos, queijos, azeitona e bacalhau.
Segundo Fernandes, os próprios suspeitos confirmaram que as informações lançadas nas planilhas entregues à Câmara não eram verdadeiras.
"Algumas das notas apresentadas não eram condizentes com a realidade apresentada no local dos fatos, inclusive nós deslocamos investigadores até a capital que fizeram esse tipo de constatação", diz.
As evidências levaram ao indiciamento do vereador e sua assessora por peculato e uso de documento falso. A denúncia foi encaminhada ao Ministério Público. "A Polícia Civil de sertaozinho chegou a essa conclusão em razão das provas tanto materiais como testemunhais colhidas ao longo da investigação."
 
Conselho de Ética
Segundo a presidente da Câmara, Márcia Moreira de Souza Perassi (PSDB), o parlamentar foi alvo de um processo no conselho de ética, que deu parecer favorável às denúncias.
O resultado foi encaminhado para a procuradoria jurídica do Legislativo e deve ser submetido a plenário. A votação, que pode definir por punir, com sanções como a cassação, ou absolvição do vereador, ainda não tem data.
"A comissão entende que teve e está sendo encaminhado tudo, porque todo esse processo agora, depois de o jurídico concluir tudo que tem que ser concluído, vai para plenário, e o plenário vai votar", disse.
 
Fonte: https://g1.globo.com/sp/ribeirao-preto-franca/noticia/vereador-de-sertaozinho-e-investigado-por-gastar-r-521-em-emporio-de-queijos-e-vinhos-com-verba-publica.ghtml

NOTÍCIAS