NOTÍCIAS

“Reforma trabalhista atende mais patrões que trabalhadores”, afirma presidente do Sintracoop

 14/11/2017, 08:56:46
Assembleia realizada em Orlândia aprovou nova pauta de negociações
 
O Sintracoop (Sindicato dos Trabalhadores em Cooperativas no Estado de São Paulo) realizou assembleia no domingo, dia 12, em Orlândia. Com participação de trabalhadores de todo o Estado de São Paulo, dos diversos ramos do cooperativismo, a Assembleia teve como objetivo aprovar a pauta de negociações com as cooperativas até 2019. O vencimento de datas para reajuste das diversas categorias começa já neste mês. Todas as pautas foram aprovadas, como reajuste salarial, pagamento de horas extras e outros benefícios.
Representando mais de 40 mil trabalhadores, o presidente do Sindicato, João Edilson de Oliveira, acredita que as entidades precisam se adaptar à nova realidade. “A reforma da legislação trabalhista ainda será muito questionada juridicamente, por que há muitas contradições com a Constituição Federal, e por isso aguardamos decisões do STF (Supremo Tribunal Federal).”
João Edilson acredita houve pontos importantes na reforma, porém. “Há necessidade de modernização da legislação, mas há muitos pontos que prejudicam o trabalhador, que não foram mostrados pela mídia.  O que o Governo Federal fez foi atender a interesses internacionais, já que, hoje, quem manda no Brasil, são os investidores”.
A nova legislação, que vigora desde o dia 11, tem trazido insegurança aos trabalhadores. Entidades apontam perda de direitos adquiridos ao longo de décadas. “É difícil para o funcionário negociar sozinho um aumento, por exemplo. Por isso, o sindicato é ainda mais importante, pois o trabalhador ganha força no coletivo”, explica.
Entre as mudanças, a lei desobriga o trabalhador de contribuir compulsoriamente com o sindicato de sua categoria profissional. O ministro do Trabalho, Ronaldo Nogueira, avalia que podem desparecer 3 mil sindicatos no Brasil. Atualmente, há 11,3 mil sindicatos de trabalhadores e 5,1 mil patronais.
“Mas isso não será um problema para sindicatos como o nosso, que realmente representa os trabalhadores há 23 anos, sempre com lutas e reivindicações aprovadas por todos”, afirma. Ele contabiliza mais de 300 acordos coletivos negociados anualmente com as cooperativas, como banco de horas, acordo de negociação salarial, benefícios e participação no resultado.
O presidente lembra que as reinvindicações devem sempre ser apresentadas, como foi o vale-alimentação. “Durante anos apresentamos essa pauta, que nunca era aceita pelo patronato. Uma vez, insistimos, e obtivemos R$ 15 – um valor pequeno, que era chamado de ‘vale-coxinha’. Hoje, porém, há cooperativas que pagam até R$ 500 de vale-alimentação”, conta.
“Seremos mais fortes, mesmo novo, pois a segurança jurídica virá, também, com prevalecimento do negociação sobre o legislado”, acredita João Edilson, principalmente como a responsabilidade sobre as negociações coletivas. ““Aprovamos desconto sobre a contribuição sindical e assistencial em assembleia, que é um reconhecimento do trabalho do sindicato e reconhecimento da grandeza desta entidade sindical”.
 
Assembleia e Sorteio
Compuseram a mesa, durante a realização da assembleia, além de João Edilson, os diretores João Vanderlei Rodrigues Palma, Marcelo Denipoti, Ronaldo César Pereira Lima, Marcos Petrocino, Eli Câmara, Edelson Ângelo Zardo e Diva Aparecida Bueno, o delegado sindical João Rodrigues e os advogados Valdemir Caldana e Tarciso Manso.
O Sintracoop sorteou diversos presentes na assembleia. Os ganhadores foram: Adinha (processador de alimentos), Biana Abraão Varrichi (micro-ondas e uma moto CG 150 0km), Cíntia  Aurea Ferreira (micro-ondas), Daniela Cristina Vaz (processador de alimentos), João Paulo de Lima Fiorovante (TV 32”), Hércules Fernando (ventilador), Lucas Leal Merce (ventilador), Rodrigo Palhares (fritadeira AirFryer), Romário S. do Nascimento (fritadeira AirFryer), Willia Maeda Marciano da Silva (fritadeira AirFryer) e Tarciso Manso (TV 32”).
 
Cláudio Oliveira
Duo.com Comunicação & Marketing

NOTÍCIAS